8

Professora da UnB deu treinamento para a Comissão de Etica em Pesquisa da FACIT

 

Pesquisadores de Araguaína poderão submeter os trabalhos ao Comitê de Ética da faculdade

“A implantação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) na FACIT-TO é uma vitória não só para nós como instituição, mas também para Araguaína e todo o Brasil”. A coordenadora de Pesquisa da Faculdade de Ciências do Tocantins – FACIT-TO, Profa. Dra. Carla Cecilia Alandia Román, acreditou desde o começo que a faculdade estava pronta para encarar o desafio de ter seu próprio Comitê de Ética e Pesquisa.

O CEP irá beneficiar toda a comunidade acadêmica e profissional da região e qualquer Estado que tenha co-participação em projetos de pesquisa com a FACIT. Isso garante agilidade na aprovação de projetos de pesquisa que envolva seres humanos.

“Com a implantação do CEP, nossos projetos poderão ser efetivados com maior rapidez devido ao trabalho responsável e contínuo do nosso comitê”, explicou a coordenadora de pesquisa.

Para que fosse aprovado, o CEP precisou passar por um rigoroso treinamento de docentes, que aconteceu nos dias 6 e 7 de abril, com a Profa. Marie Togashi, coordenadora da Comissão de Ética e Pesquisa (CEP) da Universidade de Brasília (UnB) e membro da Comissão Nacional de Pesquisa.

Segundo a diretora geral da FACIT-TO, Dra. Ângela Maria Silva, a implantação do comitê aconteceu de forma antecipada. “O CEP estava previsto para 2019, mas graças ao nosso grupo de colaboradores, os nossos doutores da instituição, pudemos viabilizar desde o ano passado a abertura e implantação do CEP, já dando continuidade aos serviços”, disse, satisfeita.

Treinamento

A capacitação envolveu toda a parte administrativa de um Comitê de Ética, como lidar com os protocolos e análise ética da pesquisa. A palestrante explicou sobre a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP, uma comissão do Conselho Nacional de Saúde - CNS que tem a função de implementar as normas e diretrizes regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos e aprovadas pelo Conselho.

“Se você não tiver a aprovação de um projeto no Comitê de Ética em Pesquisa, você não consegue publicá-lo, então cada vez mais as revistas estão progredindo para isso”, destacou a Profa. Marie Togashi.

E completou: “O conselho tem caráter educativo, a intenção é de aproximar pesquisadores, sejam discentes ou docentes, para que possamos realizar essas pesquisas dentro dos padrões éticos”.

Orgulho em poder participar

“Pessoalmente, gostei muito dessa capacitação, eu acho que está sendo um marco para a FACIT-TO, porque uma instituição tão nova já tem um comitê de ética aprovado”, enfatizou a Profa. Dra. Tatiana Ramirez Cunha.

A professora disse ainda ter percebido o quanto o restante do corpo docente estava motivado durante a instrução, sobre o orgulho de poder fazer parte desse novo passo que a instituição deu.

“Uma vez capacitados, poderemos instruir tanto a comunidade acadêmica, como nossos alunos, professores e outros pesquisadores”, finalizou Tatiana.